PGR defende arquivamento de inquérito contra “gabinete do ódio”

Augusto Aras avaliou que a operação de PF e bloqueio de contas de militantes bolsonaristas são medidas exageradas

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O procurador-geral da República Augusto Aras pediu nesta quarta (27) o arquivamento do inquérito 4781, que investiga uma rede de fake news, ataques à honra e ameaças à segurança de ministros do Supremo Tribunal Federal.

O pedido foi feito no âmbito de uma reclamação do partido Rede contra o inquérito sob relatoria de Alexandre de Moraes, que autorizou uma megaoperação de busca e apreensão contra empresários, influenciadores e deputados bolsonaristas nesta quarta.

Aras alegou que foi “surpreendido” com a operação, porque a PGR não foi consultada. Ele reclamou que a investida se deu “sem a participação, supervisão ou anuência prévia do órgão de persecução penal” e disse que isso “reforça a necessidade de se conferir segurança jurídica” ao inquérito, que foi instaurado de ofício. As informações são da jornalista Andrea Sabi, do G1.

Aras ainda defendeu que as mensagens questionadas pelo STF são “liberdade de expressão” e que a busca e apreensão, seguida do bloqueio de redes sociais dos militantes bolsonaristas, foram medidas exageradas. “Em realidade, [as mensagens] representam a divulgação de opiniões e visões de mundo, protegidas pela liberdade de expressão”, anotou o PGR.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. O STF que se cuide.

    Uma intervenção militar pode começar justamente no conflito com o STF.

    As consequencias não serão imprevisíveis.

    Mesmo achando o Bolsonaro um presidente sem nenhum predicado e que não está a altura do cargo, num conflito com o STF eu não tenho a mínima vontade de defender o STF que é o grande responsável pelas mazelas do Brasil.

  2. Acredito que se Aras conseguir ser aprovado na CCJ e no plenário do Senado, não fugirá ao status de “persona non grata” do STF e será uma espécie de patinho feio da corte. Pelo andar da carruagem, motivos não faltarão.

  3. Sao canalhas, detratores covardes que vem fazendo e falando merda pois se acham protegidos pelo exército já que creem que a meia duzia de generais de pijama, que boiam junto com bozo no planalto, são a voz da força.
    Não são. Não da verdadeira força.
    O STF age corretamente. Se este inquérito, contra alguns meliantes digitais, for motivo para “intervenção militar”, entao foda-se, pois aí já estaremos na merda.
    Tá na hora do povo dar sustentação a republica e à constituição, apoiando as instituições e partindo contra os fascistas antes que implante mais 21 anos de covardia e destruição.

  4. Hoje temos um PGR que age como advogado do governo e não dos interesses da sociedade.
    Em vez de Aras pedir arquivamento, seu dever seria abrir e/ou tocar o inquérito com veemência.
    Temos uma AGU (da União) que age como advogada do governo e não da União (3 poderes federados).
    Temos uma PF que agora passou a agir parcialmente (o suficiente) como guarda pretoriana, SA, Gestapo, camicie nere” do governo.
    Temos FFAA que (historicamente) não deixa claro se é golpista ou não, imiscuindo-se e sendo imiscuída pelo despresidente na política e operação do Estado.
    Temos um STF que está se desacovardando, mas precisa saber se sua munição é apenas institucional ou se vai ter bala na agulha para enfrentar este aparelhamento miliciano do Estado.
    Armas sempre desprezam instituições.
    Guerras civis sempre derramam sangue.
    E nosso sangue ainda está verde…amarelado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome